x
 INSTITUCIONAL
 PRODUTOS
 SERVIÇOS
 EXCLUSIVO
 ARTIGOS
 IMPRENSA
 AGRICULTURA
 MIP
 +55 19 99695-2666
x
NEOMIP MAX
MACROMIP MAX
STRATIOMIP
TRICHOMIP-P
TRICHOMIP-G
Eficácia e Praticabilidade Agronômica
Estudos de Resíduos Químicos
MIP
Seletividade (Organismos Não Alvo)
Menu E-Commerce Busca
 
 

Você está em: Imprensa

 
 
 
 
2017-10-18
Desvendando a resistência de Helicoverpa armigera a piretroides no Brasil
 
 

Helicoverpa armigera é uma das principais pragas de diversas culturas em todo o mundo. A espécie possui um alto potencial de reprodução, uma ampla gama de hospedeiros (mais de 60) e está presente nos cinco continentes do planeta. O registro oficial de H. armigera no Brasil ocorreu pela primeira vez em 2013 e, devido à severidade dos danos causados em decorrência de seu ataque nas plantações, houve um aumento no número de aplicações e nas doses de inseticidas para tentar contê-la, resultando no aumento da pressão de seleção e acelerando a evolução da resistência.

Um dos grupos de inseticidas recomendados em ação emergencial para o controle da praga é o dos piretroides (Grupo 3A). Eles são moduladores dos canais de sódio e exercem efeito significativo mantendo os canais de sódio abertos ocasionando a entrada permanente de sódio na célula o que resulta em transmissões de impulsos nervosos repetitivos e descontrolados, hiperexcitabilidade, perda da postura locomotora, paralisia e morte.

A resistência a piretroides foi reportada nos países de origem de H. armigera (Índia, China, Paquistão e Austrália) e na maioria dos casos está relacionada a detoxificação do inseticida por meio da ação de enzimas tais como: glutationa-S-transferases (GSTs), esterases (ESTs) e citocromo P450 (CYPs). Essas enzimas possuem a capacidade de metabolizar a molécula inseticida e transformá-la em um composto não tóxico à praga-alvo.

Assim, pesquisadores da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (ESALQ) caracterizaram a suscetibilidade de populações brasileiras de H. armigera para dois piretroides (deltametrina e fenvalerate). Foi feito o monitoramento da suscetibilidade a esses inseticidas e a investigação dos mecanismos envolvidos na resistência de H. armigera a piretroides no Brasil. Para isso, realizaram bioensaios usando sinergistas (PBO, DEF e DEM) (têm a finalidade de suprimir o efeito de enzimas destoxificativas) e estimaram a frequência do gene de resistência CYP337B3 pertencente ao grupo das monooxigenases do citocromo P450.

Os resultados mostraram que mesmo utilizando a dose mais alta nas aplicações dos inseticidas, as populações de H. armigera tiveram mortalidade inferior a 50%. Quando as lagartas foram tratadas com o sinergista PBO (inibidor de enzimas P450) juntamente com a dose diagnóstica do inseticida específico a mortalidade de todas as populações foi de 100%. Além disso, todas as populações apresentaram o gene CYP337B3, com uma frequência acima de 0,95.

Isso demonstra que a resistência a piretroides em populações de H. armigera no Brasil está associada a alta frequência do gene CYP337B3 do citocromo P450. Os resultados evidenciam a importância da implementação de estratégias de manejo da resistência para conseguir preservar a eficácia dos produtos químicos, retardar o processo de seleção de indivíduos resistentes em uma população, controlar a praga e mantê-la em níveis toleráveis abaixo do limiar de dano econômico. Para que o manejo seja realizado com sucesso é imprescindível a adoção de programas de detecção e monitoramento da resistência em populações de praga em campo, até mesmo para nortear os produtores agrícolas ao uso racional dos inseticidas.

Para saber mais:

DURIGAN, M. R. et al. High frequency of CYP337B3 gene associated with control failures of Helicoverpa armigera with pyrethroid insecticides in Brazil. Pesticide Biochemistry And Physiology, set. 2017.


Fonte: IRAC-BR

 
 
 
voltar para home
 
Desvendando a resistência de Helicoverpa armigera a piretroides no Brasil
2017-10-18

Helicoverpa armigera é uma das principais pragas de diversas culturas em todo o mundo. A espécie possui um alto potencial de reprodução, uma ampla gama de hospedeiros (mais de 60) e está presente nos cinco continentes do planeta. O registro oficial de H. armigera no Brasil ocorreu pela primeira vez em 2013 e, devido à severidade dos danos causados em decorrência de seu ataque nas plantações, houve um aumento no número de aplicações e nas doses de inseticidas para tentar contê-la, resultando no aumento da pressão de seleção e acelerando a evolução da resistência.

Um dos grupos de inseticidas recomendados em ação emergencial para o controle da praga é o dos piretroides (Grupo 3A). Eles são moduladores dos canais de sódio e exercem efeito significativo mantendo os canais de sódio abertos ocasionando a entrada permanente de sódio na célula o que resulta em transmissões de impulsos nervosos repetitivos e descontrolados, hiperexcitabilidade, perda da postura locomotora, paralisia e morte.

A resistência a piretroides foi reportada nos países de origem de H. armigera (Índia, China, Paquistão e Austrália) e na maioria dos casos está relacionada a detoxificação do inseticida por meio da ação de enzimas tais como: glutationa-S-transferases (GSTs), esterases (ESTs) e citocromo P450 (CYPs). Essas enzimas possuem a capacidade de metabolizar a molécula inseticida e transformá-la em um composto não tóxico à praga-alvo.

Assim, pesquisadores da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (ESALQ) caracterizaram a suscetibilidade de populações brasileiras de H. armigera para dois piretroides (deltametrina e fenvalerate). Foi feito o monitoramento da suscetibilidade a esses inseticidas e a investigação dos mecanismos envolvidos na resistência de H. armigera a piretroides no Brasil. Para isso, realizaram bioensaios usando sinergistas (PBO, DEF e DEM) (têm a finalidade de suprimir o efeito de enzimas destoxificativas) e estimaram a frequência do gene de resistência CYP337B3 pertencente ao grupo das monooxigenases do citocromo P450.

Os resultados mostraram que mesmo utilizando a dose mais alta nas aplicações dos inseticidas, as populações de H. armigera tiveram mortalidade inferior a 50%. Quando as lagartas foram tratadas com o sinergista PBO (inibidor de enzimas P450) juntamente com a dose diagnóstica do inseticida específico a mortalidade de todas as populações foi de 100%. Além disso, todas as populações apresentaram o gene CYP337B3, com uma frequência acima de 0,95.

Isso demonstra que a resistência a piretroides em populações de H. armigera no Brasil está associada a alta frequência do gene CYP337B3 do citocromo P450. Os resultados evidenciam a importância da implementação de estratégias de manejo da resistência para conseguir preservar a eficácia dos produtos químicos, retardar o processo de seleção de indivíduos resistentes em uma população, controlar a praga e mantê-la em níveis toleráveis abaixo do limiar de dano econômico. Para que o manejo seja realizado com sucesso é imprescindível a adoção de programas de detecção e monitoramento da resistência em populações de praga em campo, até mesmo para nortear os produtores agrícolas ao uso racional dos inseticidas.

Para saber mais:

DURIGAN, M. R. et al. High frequency of CYP337B3 gene associated with control failures of Helicoverpa armigera with pyrethroid insecticides in Brazil. Pesticide Biochemistry And Physiology, set. 2017.


Fonte: IRAC-BR

 
 
voltar

 
© 2017 PROMIP. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Sopa de Ideias
 
10 anos de PROMIP
FICOU INTERESSADO EM NOSSAS SOLUÇÕES?
FALE COM A PROMIP
Nome: E-mail: Mensagem:
Linkedin Facebook Instagram Youtube
Voltar
© 2017 PROMIP.
Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Sopa de Ideias